Seguidores

domingo, 18 de outubro de 2009

O mesmo enredo 


Fhoto: Gislane Mota  

Há nos olhos teus

uma centelha divina

que ilumina os meus.

Basta que me olhes,

e me percorrem luzes

e me acorrentam fios invisíveis

a um porto suspenso nas nuvens.


Andamos pelas ruas

de mãos dadas, quando adormeço...

vamos vestidos num tecido de sonhos

que parece nos embalar

nas gôndolas de Veneza.


Cruzamos a Ponte dos Suspiros,

e só então acordamos

com o silêncio da correnteza

em que deslizam nossos desejos.


Vão-se as águas, ficam os meus desertos,

mas pouco importa a realidade em que desperto

ou a cidade em que amanheço,

o enredo da história que reescrevo

é sempre o mesmo: começa pelo fim

e finda no começo... 


Aíla Sampaio

Fonte : http://literaila.blogspot.com/

Postar um comentário